The Vagrant - Um RPG indie muito inspirado.

@uroichy-san

 Lançado em 13 de julho de 2018, The Vagrant é uma daquelas jóias entre os indies que permaneceram desconhecidos de, pelo que eu pude perceber, boa parte do público.

 Sua história é bem simples, Vivian, a protagonista do game, é uma mercenária viajante que luta para fugir de problemas de seu passado. Sendo alguém 'especial' no mundo do game, Mythrilia, ela precisa usar todas as suas habilidades como mercenária para sobreviver, e é ai que o game começa. Guiaremos Vivian em sua jornada através de vilarejos costeiros, florestas misteriosas, e montanhas congeladas.

 Como em qualquer RPG antigo, da época do 8 e dos 16 bits, esse também é todo em 2D, mas feito com uma Engine muito mais recente, óbvio, o que concede a ele um charme bem especial, mesmo que isso não seja nenhuma novidade no mercado de jogos indies dos últimos anos.

 É justo falar da ambientação também, muito inspirada e cheia de detalhes, claramente inspirada em ambientes medievais. Inteiramente pintado a mão, esse jogo brilha no quesito localizações, pois, seja em vilarejos, florestas, ou até nas masmorras, as cores chamam a atenção pelo tom certo aplicado a cada cenário. Nada de cores fortes demais naqueles ambientes de grutas cheias de monstros, ou de de cores sem vida em uma floresta iluminada, tudo aqui brilha de sua própria forma. As casas onde se pode entrar também são de encher os olhos, com muitos itens para chamar a atenção do jogador, mesas, cadeiras, camas, e todos os itens que vocês já espera encontrar, mas colocados ali com visível cuidado, para que, mesmo que não sejam itens com interação possível, sejam coisas que criam uma imersão muito maior ao jogador.

 O fator RPG. É algo muito legal também, permitindo ao jogador evoluir de diversas formas possíveis, sendo um atacante brutal, um usuário de combos ágil e veloz, ou um lutador equilibrado, entre muitas outras possibilidades, a árvore de habilidades se diversifica de maneira muito abrangente e divertida de se explorar. Os controles são bem intuitivos e respondem bem, mesmo que inicialmente pareça muito complexo, é fácil de se adaptar, mas é importante citar que o game é feito para ser jogado com um controle, seja de xbox ou PS3/4. No teclado é tão divertido quanto, mas a experiência não será a mesma.

 Armas e armaduras também existem aos montes pelo mapa, mas isso, infelizmente, segue a premissa de qualquer RPG, ou seja, você pode até escolher suas armas e armaduras, mas se quiser avançar sem maiores dificuldades precisará usar a espada com mais alto dano, e a armadura com maior defesa. Digo 'infelizmente', pois eu finalizei ele e apenas uma espada e armadura eram viáveis, o que deixou aparentando que qualquer jogador precisará, em algum momento do game, encontrar essa espada e armadura para chegar ter mais poder.

 Um ponto negativo, o único que eu encontrei, é a trilha sonora dos chefes, que é excelente sim, mas se prende a uma única música para todos eles, o que é uma pena, mas nem de longe é um problema para a experiência geral de quem for jogar. No mais, não encontrei bugs ou falhas.

  Para finalizar, o mapa segue a ideia do metroidvania, ou seja, você irá e voltará algumas vezes, mas se perder é bem difícil, pois o mapa é bem fácil de usar, e ainda não entrega de bandeja o caminho a ser seguido, o que o torna fácil de usar, mas bem difícil de entender, o que ficou perfeitamente equilibrado na hora de manter o jogador no caminho certo, mas sem dizer 'vire aqui e entre nessa porta e pronto'.

 Com um mundo bem diferenciado, um clima único, que mistura bem a dinâmica de um jogo de ação, com uma certa melancolia e solidão, The Vagrant é a pedida certa para aqueles que querem reviver a experiência dos 2D com uma proposta de muitas habilidades, poucos tutoriais. Pedida certa para qualquer apreciador de jogos indie, ou de RPG's com vastas possibilidades para o desenvolvimento do personagem.